[ editar artigo]

Tema 16 - Engajamento

Tema 16 - Engajamento

Problematização
Será que com a predominância da Tecnologia o nível de engajamento dos alunos no processo de aprendizagem mudou muito?

A Tecnologia trouxe consigo não só uma geração conectada, mas a urgência da atualização sobre todas as formas de consumo e produção de informação conhecidas até então. Além disso, apresentou aos professores novos desafios: disputar a atenção dos alunos com a interação nos dispositivos ou avançar e fazer parte desta interação.

Para promover o engajamento, o professor precisou ir além do formato pedagógico e envolver o aluno na construção de conhecimentos, em uma abordagem construtivista, como era abordado por Piaget. 

Estamos falando de uma mudança de cultura, de compreensão e visão sob as formas de engajar os alunos, seja no presencial ou na EAD.

Conceituação
Para falarmos de engajamento na Educação atual, precisamos destacar um dos principais fatores dos últimos 25 anos: a chegada da internet. 

Com o amadurecimento e o uso da tecnologia digital, o engajamento agora passa a ser considerado dentro e fora da sala de aula. O aluno tem a oportunidade de enriquecer a construção da aprendizagem trabalhando em uma via de mão dupla com o professor, a ponto de que não mais precise (somente) de um formato pedagógico para avançar.

O professor passa definitivamente a participar deste processo. O conhecimento passa a colaborativo, por vários meios, formas e dinâmicas.  Para que se tenha esta união com objetivos educacionais alinhados, o professor tem papel essencial para mostrar como buscar, aprender e utilizar as novas formas de aprendizagem. 

Contribuições
Falando em mudança de cultura, devemos ressaltar que estamos vivendo o desafio de engajar por meio das tecnologias devido ao isolamento social imposto pela pandemia. Há necessidades e processos diferentes, contudo, busca-se o mesmo resultado: o envolvimento do aluno.

É também um momento oportuno para dar continuidade com o uso de algumas tecnologias mesmo pós pandemia a fim de que a cada passo, possamos tornar essa forma de engajamento mais familiar.

A profissional de Educação Thereza Guerra, iniciou a discussão trazendo uma visão importante de um processo de conscientização: a importância da percepção do aluno frente à tecnologia também para fins educacionais:

“Primeiramente, é preciso mostrar ao aluno o que significa construir o conhecimento e sua importância na vida pessoal e profissional. Os alunos, de modo geral, adoram a tecnologia, mas não a vinculam ao ato de aprender. Continuam ainda na velha história de desejarem a prática sem qualquer teoria."

Thereza Guerra

A Thereza Guerra ainda sugeriu que esta associação pode ser inserida em sala de aula através de projetos, fazendo com que o contato seja mais prático do que teórico, afinal, estamos falando de uma nova geração de alunos, como bem pontuado na contribuição da Sara Luize Duarte. 

“É fato que a geração mais nova é muito tecnológica, digital e extremamente imediatista. Com isso, o engajamento tem que ser baseado naquilo que os atrai. Acredito que a tecnologia serve para aproximar ou isolar. Isso depende muito do interlocutor. O que percebo nessa mudança, considerando o contexto da pandemia, é que as relações sociais mudaram bastante. Me parece que a gente voltou a ser mais humano. Tratar o outro com mais respeito, empatia, um cuidado maior na forma de falar e o desenvolvimento da escutatória., são formas de conectar e engajar. Percebo uma clara mudança na forma que as pessoas estão mais próximas umas das outras, embora estejam isoladas ou distantes do contato físico.“

Sara Luize Duarte

A pandemia nos mudou para sempre e isso não deixou de acontecer nas relações aluno-professor. Mônica Campos, compartilhou uma mensagem de um aluno que nos faz refletir sobre a importância de uma nova postura do mediador do conhecimento. Devido a pandemia, é preciso novas formas de receber e compreender o feeedback dos alunos no que diz respeito ao engajamento com o processo de aprendizagem:

Ontem depois da aula online recebi uma mensagem de um aluno e trago um trecho para este debate "Espero que não tenha entendido meu desabafo como desculpa para justificar eu não ter feito até aquele momento meu trabalho, mas eu realmente não sei o que fazer para me animar". A mensagem é realmente um desabafo. Veio a pergunta...será que percebemos as razões para a falta de engajamento dos alunos, o que fazemos para ajudá-los nestes momentos?”

Mônica Campos

A partir dessa contribuição, podemos visualizar uma situação real de como a empatia, como trazido à discussão pela Sara, será essencial para manter os alunos próximos e com uma abertura de comunicação. É um desafio das instituições de ensino possibilitar que o aluno não só se comunique no meio, mas sinta-se ouvido e representado, como mencionado na contribuição do Marcos Galini:

“(...) a comunicação é instrumento fundamental para o engajamento . Hoje vemos que a sociedade não tolera mais a discriminação racial, de gênero social e outras formas. As pessoas estão ficando mais críticas e conscientes do seu papel ativo na sociedade. Veja o caso George Floyd e a dimensão mundial da luta contra o racismo. No Brasil, não é tolerado mais educadores e escolas que excluem o diferente e vemos um movimento nas redes sociais de atenção para estas causas. Precisamos ter um comunicação que, potencializado pela tecnologia, possa incluir o outro sempre.”

Marcos Galini

Provocações
Refletindo sobre o tema, vemos o longo caminho a ser percorrido para fortalecer essa relação de tecnologia, aluno e mediador do conhecimento. Que tipo de ações você acredita contribuir para trazer cada vez mais alunos para um processo imersivo de aprendizagem usando a tecnologia como aliada?

Professores Exponenciais
Mariana Lobo
Mariana Lobo Seguir

Sou apaixonada pela área de Educação e por isso dedico meus estudos para poder contribuir cada vez mais. Já atuei com consultoria e materiais para EAD, educação corporativa e atualmente trabalho com estratégias de Captação e Retenção de alunos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você